18 de novembro de 2014

Educação Nutricional: Dicas Para As Crianças Que Não Comem

Não posso reclamar, minha filha come bem. Muito bem! É interessada em comer, talvez tenha puxado à mãe? Talvez eu tenha acertado na educação nutricional dela? Acho que um pouco é dela mesmo, de sua personalidade e um pouco é mérito meu, nem que seja por ter conseguido explorar uma característica que já era dela. 

6 meses
Quando eu estava terminando o mestrado comecei a dar aulas de nutrição em um curso técnico. A matéria? Educação nutricional ! Além de ser nutricionista, ainda dei aula no assunto. Assim, desde a primeira frutinha que a Clarice comeu já me preocupei em fazer certo. E é assim que deve ser, se seu filho ainda não come, fique atenta a orientação nutricional já começa na primeira fruta - na verdade já começa na amamentação, mas isso é assunto para um outro post.

Mas, qualquer idade é tempo de mudar. Se você identifica erros na alimentação do seu filho, não perca tempo comece agora. Nossa saúde reflete o que a gente come e nada é tão importante quanto a nossa saúde, não é? E tem mais, se você percebe que os problemas de alimentação do seu filho são problemas de toda a família, nada de fazer mudanças para ele, toda a família tem que mudar. As crianças só aprendem com exemplo!

Dicas para seu filho se alimentar bem:


1- Desde a primeira papinha, ele deve sempre comer sentado em seu cadeirão, sem TV ligada, músicas ou celular e tablet. É importante que a criança tenha um cadeirão próprio para o tamanho dela, assim ela se sente mais confortável e apta fisicamente a comer sozinha. 

2- Incentiva seu filho a comer sozinho desde sempre. Desde a primeira frutinha o bebê vai ficar curioso com o instrumento que você usa para alimentá-lo. Deixe ele segurar uma colher, deixe ele tentar pegar. No começo ele come com a colher dele e você complementa com a sua, logo ele será capaz de comer sozinho. Com um ano a Clarice já comia algumas coisas sozinhas e foi evoluindo, como 2 já comia tudo. Isso cria uma boa relação da criança com a comida. Deixe que ele coloque a mão, perceba temperaturas e texturas. Tudo isso é um novo universo que ele deseja explorar e quanto mais explora mais gosta. Não se preocupe com a sujeira que irá fazer na roupa dele e no chão, que eu te garanto será bem grande, pense no objetivo final, que é o mais importante: seu filho comer bem.

3- É importante que a criança, mesmo quando ainda bebê, se sente a mesa com os adultos. Coloque o cadeirão na mesa, faça as refeições junto. Mesmo que toda família precise almoçar um pouco mais cedo ou jantar um pouco mais cedo. Lembre-se, as crianças aprendem por imitação. Não tem ninguém comendo comigo, por que eu vou comer? O jantar aqui em casa mudou das 19:30 para as 18:00-18:30, nem sempre o pai consegue estar presente, mas eu janto com ela, para ela não comer sozinha. Acho que isso faz uma grande diferença. A Clarice ama quando estamos na casa da minha mãe durante a semana e na hora do almoço tem uma mesa cheia de gente comendo com ela.

4- As papinhas devem ser amassadas e não batidas. Elas precisam ter texturas, no início bem suave e com o tempo mais marcantes, mesmo que seja a textura macia de uma batata cozida. Quando perceber que seu filho come bem alimentos amassados apresente alguns alimentos inteiros, como a batata que é bem macia. E assim vá evoluindo sempre. Isso desenvolve sua capacidade de mastigação e o prepara para comer bem.

5- Seja rigorosa com os horários e o que se deve comer em cada horário. Se seu filho não come bem as refeições, pense bem no que ele anda comendo antes dela. Os lanches intermediários devem ser compostos de frutas, iogurtes e até pães, se o intervalo for maior. Uma criança que belisca nunca vai estar com fome na hora das refeições. Uma criança que come doces, bolachas ou coisas mais pesadas no lanche, não terá fome durante as refeições. Criança sem fome é um verdadeiro stress durante as refeições. 

6- Não dê suco, dê água! Criança deve ter água sempre à mão. Sucos naturais devem ser oferecidos como um lanche da tarde ou da manhã, pontualmente, e não deixados a vontade. Sucos de néctar devem ser evitados ao extremo. O que hidrata e não interfere na fome é a famosa e velha água! Sucos são ricos em açúcar e além de fazer mal em excesso, tiram a fome de qualquer um.

7- Ofereça o mesmo alimento várias vezes. Se você deu abobrinha e ele não gostou, não incorpore isso como verdade. Ofereça de novo, em formas de preparo diferentes, coloque no prato, incentive-o a experimentar. Mas, nada de stress, sem brigas e cobranças. Finja que não sabe o que ele gosta ou não e sempre pergunte se ele quer, você vai se surpreender. Também use a estratégia de colocar o que ele recusa junto com o que ele gosta. Por exemplo, ele não gosta de espinafre, mas adora macarrão, faça um molho de macarrão com um pouco de espinafre. A Clarice não gosta muito de espinafre nem de cenoura, eu fiz um suflê de espinafre com cenoura e beterraba e ela adorou!

8- Deixe a criança ajudar um pouco na cozinha, nem que seja colocar a fatia de queijo sobre o pão. Eles gostam, ficam orgulhosos do que fizeram e comem melhor. Sempre que vou preparar um legume que a Clarice não gosta chamo ela para ajudar em alguma etapa, isso incentiva muito ela a comer aquilo. 

9- Procure dar a melhor alimentação possível 90% do tempo e relaxe 10%. Faça o seu melhor no dia dia, procure dar alimentos saudáveis nas refeições, frutas nos lanches, muita água. Um dia ou outro, no final de semana, que seu filho comer batata frita, doces e tal, deixe ele, não fique dizendo que aquilo é ruim, que engorda. Existe os dois extremos, filhos que só comem porcaria e outros que comem só saudável, mas no dia que pisam fora sofrem com esses comentários dos pais, assim não há prazer e cria-se uma relação negativa com a comida. É claro, que quanto mais tarde ele conhecer o universo de doces e porcarias melhor, jamais incentive.

10- Não comeu a comida? Não ganha compensações. A criança não almoça bem, dali 10 minutos pede uma bolacha, um pão, qualquer coisa. Se isso for uma raridade, tudo bem, pode acontecer, mas com frequência não. Se seu filho fizer isso sempre, guarde o prato de comida que ele não comeu, está com fome? Esquenta o prato. Não quer comida? Não ganha bolacha! A criança aprende que depois do almoço ela pode ganhar algo mais gostoso (e menos nutritivo!) e começa a comer menos comida pensando do que ela vai ganhar depois. Não entre neste jogo!

 Os horários das refeições devem ser calmos, divertidos e prazerosos. Não converse sobre problemas, não use o momento para dar uma bronca. Fale de coisas positivas, incentive seu filho a comer bem sem brigar, sem criar uma atmosfera ruim. Este é um momento de prazer 

Espero que essas dicas ajudem!  No começo parece trabalhoso, mas logo seu filho aprende a comer e tudo fica bem mais fácil!

beijos


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...